Quartalhaça – Notícialhaça

(continuação sobre a matéria de quarta passada…)

O Palhaço na Commedia Dell’Arte

No século XVI, na Itália, surge a “Comédia de Arte”, com companhias e personagens que se tornaram muito populares.0

Cada um vinha de uma região diferente da Itália e tinham características marcantes que os tornavam facilmente reconhecíveis. É o caso do Arlequim, com sua roupa de retalhos; o Pantaleão, veneziano, e de vermelho; Briguela, de branco e verde; Polichinelo, de branco e gorro pontiagudo; o Doutor, de negro e o Capitão, com sotaque espanhol e roupas militares. Esses personagens tinham características muito definidas e seus papéis eram quase sempre os mesmos e se tornaram tão famosos que os atores eram mais conhecidos pelos personagens que interpretavam do que por seus próprios nomes.

Da Itália, a Commedia Dell”Arte se estendeu por toda a Europa, adaptando-se a cada país, como na Inglaterra, onde, por exemplo, Pulcinella se tornou Mister Punch, personagem conhecido até os dias atuais, ou o Pierrot, transformado em “clown” (palhaço), sendo que o mais famoso foi Grimaldi, nascido em 1778.

astlei03Os palhaços e os primeiros circos

O circo moderno parece ter surgido a partir de 1766, criado por um jovem sargento, chamado Philip Astley. Primeiro, a princípio o circo era formado com atrações eqüestres e logo, enriquecendo as performances com artistas mambembes e atrações mais divertidas para mesclar com as exibições de equitação. O palhaço mais importante foi “Mr. Merryman”, que atuava a cavalo. Com o tempo mais atrações foram sendo incluídas no circo, surge o palhaço “branco”, ou “clown”, palhaço vestido ricamente com lantejoulas e gorro pontiagudo, cara branca e pouca maquiagem; o palhaço “augusto”, tonto, desajeitado e extravagante; o palhaço “toni” e o palhaço “excêntrico”, arquétipos de palhaços que iam colaborando para que a gargalhada corresse solta no circo.

 Vários números de palhaços no circo, eram conhecidos como “entradas de palhaços”, se tornaram clássicos circenses, como “O Espelho Quebrado”, “Hamlet”, “A Água”, “A Estátua”, “O Barbeiro de Sevilha”, etc. E podem ser vistos ainda hoje nos números de palhaços em grandes circos. Outra maneira do palhaço participar dos espetáculos circenses é através das “reprises de palhaço”, pequenas cenas de palhaços que acontecem enquanto se prepara a parafernália de um novo número no circo (como preparar as jaulas, o trapézio, etc.). No início do século XIX outra participação importante dos palhaços no circo se dava na segunda metade do espetáculo, quando estes apresentavam uma “pantomima” cômica, um pequeno espetáculo de cunho teatral, dentro do espetáculo circense, muitas vezes baseado em clássicos da dramaturgia e da literatura mundial.

Hoje em dia os palhaços ocupam espaço não só nos circos, estão presentes nas ruas, nos teatros, na televisão, no cinema, eventos e nos hospitais também, enfim, em vários e infinitos espaços e, se um dia, descobrirmos vida em outros planetas, descobriremos, também, novas formas de fazer rir, pois, dentro do mais íntimo de todos os mundos, existe, reluzindo o riso, o Mundo do Nariz Vermelho, o Mundo do Palhaço.

 

Anúncios